O tratamento do sorriso é resistente a covid-19

Em um ano em que a pandemia está alterando à força nossas prioridades, os cuidados com a boca continuam ocupando um lugar de destaque. 31% dos espanhóis consideram iniciar um tratamento em tempos de coronavírus e 25% estão com um em desenvolvimento. 

Além disso, das pessoas que viram seu tratamento interrompido durante a quarentena pré-verão, apenas 9% decidiram não retomá-lo por enquanto, de acordo com um estudo da rede Clínicas W, a relação entre saúde bucal e covid-19 tem permeado a população.

A chamada “regra dos três” – limpe as mãos, mantenha distância e uma máscara – para evitar a propagação do vírus tem o complemento perfeito na saúde bucal como mecanismo de prevenção. 

O Conselho de Dentistas da Espanha lembra que o coronavírus SARS-CoV-2, causador da doença chamada covid-19, entra no corpo através da mucosa oral, nasal e ocular. 

Essa evidência está presente na população, pois uma em cada duas pessoas acredita que uma boa saúde bucal influencia na prevenção do contágio.

O estudo sobre o impacto da pandemia na saúde bucal, realizado a partir de uma amostra de mais de 2.000 pessoas, mostra uma evidente predisposição para continuar melhorando a saúde dos dentes, apesar de a máscara nos impedir temporariamente de mostrar o sorriso. 

Uma em cada três pessoas está predisposta a iniciar o tratamento e mais de 25% o iniciaram após o início da pandemia. Apenas 15% preferiram esperar, enquanto dos que estavam em tratamento, 9% preferiram adiar.

Paradoxalmente, a sociedade está aproveitando a obrigatoriedade do uso da máscara para melhorar estética e funcionalmente o sorriso. 

Entre os tratamentos mais demandados neste ano estão a implantologia, soluções estéticas como facetas dentárias e principalmente a ortodontia, com 55% dos dentistas afirmando que sua demanda aumentou em 2020.

 

Clínica: um espaço seguro para seu sorriso 

 

Apesar da incerteza do confinamento, a análise revela total confiança da sociedade no dentista, 91% estão convencidos de que as clínicas odontológicas são espaços seguros na ‘era cobiçosa’. 

As medidas de proteção adotadas para conter a propagação do vírus já vinham sendo aplicadas no setor odontológico, que também reforçou seus protocolos com novas medidas como triagem telefônica, descontaminação de espaços ou uso de equipamentos de proteção individual, entre outras.

A doença, portanto, não representa qualquer barreira para ir ao dentista regularmente neste momento, apenas 1% culpa covid-19 pela decisão de não ir ao dentista agora. 

A ausência de um problema grave (14%), a falta de tempo (12%) e os motivos econômicos (12%) são os principais motivos para não revisar a saúde bucal, embora a maioria (51%) diga não ter impedimentos para ir ao a consulta.

Fora de nossas fronteiras, o cenário que vive o setor reforça a confiança nas clínicas como espaço seguro, mesmo no caso de grupos de alta exposição. 

Um estudo publicado no The Journal of the American Dental Association, publicado recentemente, indica que apenas 1% dos dentistas nos Estados Unidos foram infectados com covid-19.

Por fim, o medo tradicional do dentista também evoluiu positivamente em um ano complicado como o de 2020. Apenas 6% consideram essa circunstância a barreira que os separa de cuidar da saúde bucal, significativamente abaixo dos 10% do ano passado.

Conteúdo produzido por Web Marketing 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *