Saiba como a Covid-19 pode afetar a sua pele

A pandemia do Coronavírus (COVID-19) não apenas deixou milhões de mortos, como também afetou de forma permanente a saúde de muitas pessoas ao redor do globo, indo desde questões externas até internas. 

Então, por se tratar de um vírus que, até cerca de dois anos atrás, era pouco conhecido pela população, ele foi sendo minuciosamente estudado por pesquisadores do mundo todo assim que sua disseminação foi reconhecida como rápida e perigosa.

Além dos sintomas mais comuns, estudos mostram que o vírus pode afetar também a saúde da pele por meio de lesões cutâneas que se manifestam de diferentes formas. Um dos primeiros trabalhos desenvolvidos sobre o tema foi publicado por um grupo de italianos.

Eles registraram que mais de 20% dos pacientes que chegavam a ser internados com a Covid-19 acabavam apresentando sintomas dermatológicos parecidos com lesões de outras doenças mais conhecidas, como sarampo e catapora. 

Doenças de pele ligadas ao COVID-19

Com o agravamento da pandemia e mais pessoas sendo contaminadas, surgiram novos estudos e foram observados mais sintomas dermatológicos, tais  como:

  • Lesões vermelhas pelo corpo; 
  • Feridas na boca;
  • Prurido (sensação de coceira);
  • Manchas arroxeadas (especialmente nas mãos e pés);
  • Descamação do couro cabeludo;
  • Queda de cabelo (sintoma tardio);
  • Branqueamento dos fios (sintoma tardio).

Em pacientes internados com maiores complicações, os sintomas podem chegar a ser vistos em forma de úlceras e até mesmo necroses. 

Mas afinal, o que explica essas manifestações cutâneas? O Coronavírus é uma doença extremamente inflamatória que ataca diversos sistemas do corpo, não apenas o respiratório. Sendo assim, as células da pele não estão livres de ser afetadas. 

Além disso, a própria resposta imune do organismo à presença do vírus pode causar estas alterações dermatológicas. 

Fique atento a lesões e alterações na pele

No geral, as lesões cutâneas estão entre os primeiros sinais da contaminação pelo Coronavírus. O ideal é ficar alerta e observar se elas vêm acompanhadas de outros sintomas mais comuns da doença, como coriza, febre e dor de cabeça. 

Se as alterações na pele forem isoladas, elas podem estar relacionadas a outros impactos da pandemia.

Alterações cutâneas indiretas

A disseminação do Coronavírus trouxe diversas mudanças, mexendo com o estilo de vida das pessoas. Dessa forma, mesmo quem não contraiu o vírus pode manifestar alterações na pele, mas por fatores indiretos.  

O uso constante do álcool em gel, por exemplo, é um deles, pois pode causar ressecamento e alergias nas mãos. 

Outro fator que pode afetar diretamente a saúde da pele é o estresse relacionado ao medo e à angústia provocados pelo longo período de isolamento e constante acompanhamento das trágicas consequências da pandemia. 

O que fazer para amenizar esses problemas?

Uma forma de diminuir os efeitos negativos na pele é utilizar sabonetes neutros e investir em hidratantes para as mãos. Em relação ao estresse, é importante ter atenção à saúde mental, dando espaço para atividades físicas regulares e trabalhando a inteligência emocional. 

Lembre-se: mesmo com a recente flexibilização das medidas de segurança contra a Covid-19, os cuidados continuam. O uso de máscara, principalmente em ambientes fechados, além da utilização de álcool em gel e o distanciamento social seguem sendo recomendados. 

Evitar aglomerações e saídas desnecessárias ainda é necessário. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), até o momento já foram registradas mais de 5 milhões de mortes e 210 países foram afetados pela doença. 

Continue alerta! Os sintomas mais comuns do Coronavírus são:

  • Espirros;
  • Dor de cabeça;
  • Coriza;
  • Fadiga;
  • Febre;
  • Tosse;
  • Dores no corpo;
  • Calafrios;
  • Falta de ar;
  • Perda de olfato e paladar.

Há, ainda, alguns sintomas menos comuns, mas que também merecem atenção:

  • Alterações gastrointestinais;
  • Dores e pressão no peito;
  • Náuseas;
  • Diarreia;
  • Conjuntivite.

De toda forma, é sempre bom ficar de olho na saúde como um todo, principalmente para evitar diversos tipos de doenças e problemas.

Texto: Gustavo Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *