Entenda a relação do diabetes com a saúde bucal

Pessoas diabéticas possuem sérios riscos de desenvolver problemas bucais. Em sua maioria, devido ao descontrole da glicemia provocada pela doença, que interfere na produção salivar.

Segundo especialistas, antes de realizar procedimentos odontológicos é recomendada a solicitação de alguns exames laboratoriais como glicemia, hemograma e o exame radiográfico, já que existe uma maior possibilidade de infecções.

Mas a doença não impede a possibilidade de utilizar um aparelho dental. As cores de aparelho, que geralmente são escolhidas pelo paciente, é o que torna, muitas das vezes, mais atraentes os diferentes tratamentos que envolvam a sua utilização. 

Cuidados especiais antes do tratamento

O mais importante é o paciente se sentir confortável, tendo ciência sobre os cuidados com as infecções bucais.

O profissional dentista também deve ser especializado no atendimento de diabéticos, já que o processo pode ferir e provocar inflamações na gengiva, que precisa de constante acompanhamento do dentista para não provocar consequências sobre a glicemia.

É muito importante que distúrbios de cicatrização e alterações fisiológicas, que reduzem a capacidade imunológica, aumentando a probabilidade de infecções, sejam observados pelos pacientes com diabetes. Pois essas condições, vão exigir que o paciente diabético seja tratado de forma interdisciplinar.

A apresentação de exames recentes logo no início do tratamento, também são essenciais, até mesmo para que o paciente tenha certeza, que está seguro para qualquer intervenção.

O recomendado é procurar um profissional Cirurgião-Dentista especialista em PNE, nesses casos, o clínico-geral também pode trabalhar nesses casos, mas é necessário que sua formação tenha a especialização no atendimento do paciente com diabetes. 

Em casos onde o paciente não saiba que possui a doença, o Cirurgião-Dentista pode ajudar a identificar. O profissional deve cruzar os dados em entrevista clínica, além de solicitar exames laboratoriais.

Pacientes que possuam alguma infecção causada pela diabetes, costumam sentir a boca seca, sensação de ardência, náuseas e outras questões que não devem ser ignoradas.

Tipos mais comuns de diabetes

No Brasil, segundo Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com o IBGE, 9 milhões de brasileiros estão com diabetes. Isso corresponde a mais de 6% da população.

Os tipos mais comuns da doença são o diabetes do tipo 1 e tipo 2. Sendo o diabetes do tipo 1 que geralmente acomete crianças e adolescentes, e concentra de 5 a 10% do total de pessoas portadoras da doença.

Já o diabetes tipo 2, é a apresentação mais comum da doença, tendo em torno de 90% das pessoas diagnosticadas, em sua maioria adultos.

Para manter a saúde em dia

Muito além dos cuidados comuns de quem possui a diabetes, como a saúde física e principalmente em relação à alimentação, é de extrema necessidade que o diabético não deixe de observar certas mudanças que vão além dos índices glicêmicos.

A higiene bucal da forma correta é uma das medidas mais importantes que você pode adotar. Dentes saudáveis não só contribuem para que você tenha uma boa aparência, mas também são importantes em vários outros aspectos, como uma boa mastigação, que garantem uma boa qualidade de vida.

Para evitar a progressão da doença periodontal, comum em diabéticos, é recomendado redobrar os cuidados com a higiene, pois fazer uma perfeita higiene da boca com a utilização do fio dental, escovação e enxaguatório bucal (se possível) só trará benefícios, e ajudará na prevenção de outras doenças.

Qualquer alteração deve ser levada em consideração, independente do tipo da diabetes, é sempre bom ficar antenado para conseguir distinguir o que não é habitual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *