Insônia- Distúrbio do Sono Que Causam Problemas Para a Sua Saúde

A insônia, de acordo com a American Psychiatric Association (APA), é o distúrbio do sono que afeta quase um terço de todos os adultos. E de 6 a 10 por cento têm sintomas graves o suficiente para serem diagnosticados com distúrbio de insônia.

 

O que é insônia? 

 

A insônia é um distúrbio do sono comum que pode dificultar o adormecimento. Pessoas com esses problemas podem apresentar dificuldades  para adormecer, perder o sono ou fazer com que acorde muito cedo e não consiga voltar a dormir. 

 

Você ainda pode se sentir cansado ao acordar. A insônia pode minar não apenas seu nível de energia e humor, mas também sua saúde, desempenho no trabalho e qualidade de vida.

 

A quantidade de sono suficiente varia de pessoa para pessoa, mas a maioria dos adultos precisa de 6 a 8 horas de sono por noite.

 

Você sabe como uma noite de sono ruim pode fazer você se sentir horrível. Agora multiplique aquela noite ruim por semanas, até meses, e será fácil entender por que a insônia pode ter um tremendo tributo mental e físico nas pessoas.

 

Por definição, mesmo tendo apenas algumas noites de sono agitadas é considerado que tenha dificuldades ao para dormir, de acordo com o National Heart, Lung and Blood Institute. Por si só, uma ou duas noites de sono ruim não é um problema crítico. 

 

Entretanto, quando você tem uma ou duas noites de sono ruins podem facilmente se transformar em um problema persistente. E são essas noites repetitivas de contínuos problemas de sono que drenam mais o corpo e o cérebro.

 

Entretanto, se você travar lutas constantes para dormir, saiba que você não está sozinho. 

 

Estimativas sugerem que cerca de 10 por cento dos adultos sofrem de insônia crônica. De igual modo, entre 15 e 35 por cento dos adultos sofrem de algum nível de insônia de curta duração que dura de alguns dias a até três meses. 

 

Isso, de acordo com a American Academy of Sleep Medicine.

 

Esses números são preocupantes porque o sono é um dos alicerces da boa saúde. Se você não está obtendo o sono de que precisa, pode estar colocando sua saúde e bem-estar em risco.

 

Principais causas 

 

Estudos epidemiológicos mostram que a falta de sono está associada à obesidade, diabetes e doenças cardíacas, até mesmo Alzheimer.

 

Outras consequências incluem aumento do risco de transtornos psiquiátricos e acidentes com veículos motorizados. 

 

Quando se trata de saúde e bem-estar, o sono é tão importante quanto a dieta e outros hábitos de vida.

 

É por isso que, se você deseja lidar com a insônia e obter a ajuda necessária, é fundamental conhecer os motivos, e depois tratar. 

 

Então, como saber se você tem  distúrbios do sono  e como tratar se tiver? 

 

Continue lendo para obter respostas às suas perguntas mais urgentes.

 

Tipos de insônia

 

A insônia primária é a que não é causada por nenhuma outra condição. Geralmente é causado por mudanças na vida.

 

A insônia que ocorre como resultado de uma condição de saúde subjacente ou hábito de estilo de vida, como uma  condição de saúde mental ou cochilos diurnos excessivos, é chamada de insônia secundária

 

Os médicos costumam chamar esse tipo de insônia de insônia comórbida.

 

Aguda vs. crônica

 

Definindo insônia aguda

É de curto prazo e dura dias ou semanas. A insônia aguda significa que você tem problemas para dormir apenas por um curto período de tempo, mesmo que isso signifique apenas por uma noite.

 

A maioria dos adultos experimenta insônia aguda em algum momento de sua vida. 

 

Frequentemente, é causado por fatores estressantes, como trabalho, problemas em casa, jet lag ou um evento traumático de curto prazo. 

 

Geralmente, se resolve com o tempo, quando o evento estressante passa.

 

Importante lembrar, que a insônia aguda ainda pode ser um problema, porque se for ignorada e não tratada, pode levar à insônia crônica de longo prazo.

 

Definindo insônia crônica

Dura um mês ou mais. Ela é mais grave e envolve dificuldade para dormir três ou mais dias por semana ao longo de três meses

 

Indivíduos com insônia crônica também relatam interrupções em seu funcionamento diurno, incluindo sonolência, irritabilidade ou ansiedade, ou dificuldade em prestar atenção, concentrar-se em tarefas ou lembrar

 

A insônia crônica pode ser um problema primário ou pode estar relacionada a uma condição médica subjacente ou ao uso de medicamentos. 

 

Embora a insônia aguda geralmente possa ser resolvida sem ajuda profissional, o mesmo não é verdade para pessoas com insônia crônica. 

 

Essas pessoas precisam trabalhar com um profissional treinado e, quanto antes trouxerem alguém a bordo, mais rapidamente podem impedir que os problemas se tornem ainda mais graves e, portanto, demorem mais para serem resolvidos.

 

A insônia crônica aumenta o risco de uma pessoa de ter:

 

  • Obesidade (tanto adultos quanto crianças)
  • Diabetes e tolerância à glicose diminuída
  • Doença cardiovascular e hipertensão
  • Transtorno de ansiedade
  • Humor deprimido
  • Uso de álcool

 

Se o sono insatisfatório está afetando negativamente sua vida diária, pode ser hora de entrar em contato com seu médico de cuidados primários.

 

Sintomas

 

Determinar se você tem insônia geralmente não é difícil. Na maioria dos casos, você sabe se não está dormindo bem.

 

Mas também existem algumas pessoas que podem não estar cientes de que têm insônia. 

 

É possível que essas pessoas tenham tanta coisa acontecendo que percebam sintomas de fadiga diurna como resultado de outras condições crônicas de saúde ou de uma agenda lotada.

 

Então, confira abaixo qual é a sua situação.

 

  • Dificuldade em cair no sono ou permanecer dormindo
  • Acordando durante a noite
  • Sentindo-se cansado após uma noite inteira de sono
  • Problemas com foco ou concentração
  • Aumento do número de erros ou enganos durante a execução de atividades diárias
  • Irritabilidade ou ansiedade
  • Sonolência diurna
  • Baixa motivação ou energia
  • Incapacidade de focar ou lembrar coisas

 

Ter apenas uma noite de sono ruim não significa que você tenha insônia; ela é caracterizada por uma incapacidade persistente de dormir por um período de dias a meses.

 

Se você estiver preocupado com seus problemas de sono, converse com seu médico. Seu médico pode encaminhá-lo para um especialista qualificado do sono.

 

Causas e fatores de risco

 

Quais são os fatores de risco da insônia?

 

A insônia não tem apenas uma causa – pode ser causada por vários fatores, tais como:

 

  • Condições médicas, como artrite, asma, dor crônica, apneia do sono e condições neurológicas (incluindo doença de Parkinson )
  • Medicamento
  • Condições psiquiátricas, como depressão, ansiedade, esquizofrenia , transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e transtorno bipolar (a insônia também pode contribuir ou aumentar o risco de ansiedade e depressão ).
  • Hábitos alimentares, como comer refeições pesadas muito perto da hora de dormir ou consumir muita cafeína ou álcool
  • Uso frequente de estimulantes como nicotina e cafeína
  • Fuso horário
  • Hábitos de sono prejudiciais, como ter uma programação de sono inconsistente ou irregular

 

Os fatores adicionais que aumentam o risco de insônia são:

 

  • Níveis de estresse significativos
  • Sofrimento emocional relacionado a eventos significativos da vida, como divórcio ou morte de um ente querido
  • Ter rendimentos mais baixos
  • Trabalhar à noite ou ter um horário de trabalho que muda com frequência
  • Viagens de longa distância, especialmente entre fusos horários diferentes
  • Ter um estilo de vida inativo
  • Certos  medicamentos , especialmente antidepressivos, estimulantes e hipertensos
  • Uso de álcool
  • Gravidez, menopausa ou outros eventos caracterizados por alterações hormonais
  • Outros distúrbios do sono, como apnéia do sono ou paralisia do sono

 

Como a insônia pode ser diagnosticada?

 

Em muitos casos, o seu médico poderá dizer se você tem insônia apenas conversando com você. 

 

Além de discutir seu histórico médico e familiar, seu médico perguntará sobre seus hábitos e padrões de sono. 

 

É importante que você seja claro e preciso com seu médico ao descrever seus sintomas.

 

Para ajudar nisso, muitos especialistas em sono recomendam que você mantenha um diário preciso do sono ou “histórico do sono” por duas semanas (ou mais) antes de visitar um médico para falar sobre sua insônia. 

 

Para tanto, escreva quando você vai para a cama, aproximadamente quanto tempo leva para adormecer, quando você acorda e a frequência e duração de quaisquer despertares no meio da noite. 

 

Todas essas informações podem ajudar seu médico a determinar se você tem insônia e a melhor forma de controlá-la.

 

(Observação: anote todas essas informações pela manhã, depois de acordar. Se estiver tentando documentar os despertares do meio da noite à medida que eles acontecem, você pode estar piorando o despertar.)

 

Seu médico ou especialista em sono provavelmente fará um exame médico. 

 

Ele ouvirá seu coração e pulmões e executará outras medidas de rastreamento de rotina para problemas de saúde que podem estar causando sua insônia.

 

O profissional médico também pode solicitar alguns exames de acompanhamento que podem ajudar a determinar a causa de sua insônia. Isso pode incluir exames de sangue para verificar se há problemas médicos ou um teste de actigrafia, um pequeno dispositivo que você usa enquanto dorme para medir seus padrões de sono. 

 

Tratamento de insônia

 

Os especialistas recomendam seguir as etapas a seguir para otimizar suas chances de uma boa noite de sono :

 

  • Ir para a cama cedo
  • Evite dormir tarde
  • Mantenha uma rotina consistente de sono e vigília
  • Pegue um pouco de luz solar
  • Não confie no álcool para ajudá-lo a dormir
  • Pratique alguma atividade física durante o dia
  • Desligue os dispositivos e evite atividades extenuantes antes de dormir
  • Relaxe antes de dormir

 

Ao adotar uma boa higiene do sono, técnicas de relaxamento e outros hábitos na hora de dormir não são suficientes, outros tratamentos podem ser necessários. 

 

Esses tratamentos podem incluir pílulas para dormir, terapia e estimulação eletroterápica

 

Medicamentos para dormir e estimulantes

 

Algumas pessoas com insônia podem recorrer a soníferos ou tomar um comprimido para dormir para obter alívio. 

 

Alguns indivíduos podem responder bem a isso. No entanto, esses medicamentos podem causar efeitos colaterais residuais prejudiciais e podem não ser o melhor tratamento para a insônia crônica. 

 

Além disso, muitos medicamentos para insônia podem ter efeitos colaterais adversos, como:

 

  • Dependência
  • Sonolência
  • Dificuldade de concentração
  • Dores de cabeça
  • Boca seca
  • Náusea
  • Dormir excessivamente frequente
  • Pesadelos
  • Uma sensação de “ressaca”
  • Sedação
  • Deficiência cognitiva
  • Incoordenação motora
  • Ataxia (a perda de controle total dos movimentos corporais)
  • Tontura
  • Desconforto gastrointestinal
  • Aumento do risco de queda (especialmente para os idosos)

 

Por certo, existem outros efeitos colaterais de drogas para combater a insônia.

 

Entretanto, o melhor dos cuidados é sempre o acompanhamento médico.

 

Este post é um conteúdo desenvolvido pelo Saúde em Dicas, especializado em conteúdos sobre saúde e bem-estar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *